C. J. Ramone

Bass.jpg C. J. Ramone jura que é BAIXISTA!

E sabe que a última corda é G e não E!

Sem eles, os outros integrantes ficariam perdidos.

Cquote1.svg Essa é a maior merda que eu já ouvi Cquote2.svg
C. J. Ramone sobre New Kids on the Block
Cquote1.svg Me passou raiva, mas deu conta do rojão! Cquote2.svg
Johnny Ramone sobre C.J. Ramone
Cquote1.svg Filho da puta!! Filho da puta!!! Cquote2.svg
Dee Dee Ramone sobre C.J. Ramone

Cijei Ramono
Cj-ramone.jpg
C. J. quando ainda tinha cabelo.
Nascimento 8 de outubro de 1965
Nova Nova Nova Nova Iorque - Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Ocupação Ramones
Vícios Comidas gordurosas

Christopher Joseph Ward, mais conhecido pelo nome de foragido C. J. Ramone, é um tiozão roqueiro, subcelebridade e embaixador do panque roque em geral. Famoso em quase todo o mundo por ter substituído o cheirador de cola profissional e força da natureza Dee Dee Ramone nos Ramones (o rly?), C.J. hoje cansou de passar tinta no cabelo grisalho e é aquele cara amigão de todas as bandas novas, sempre dando uma força pros jovens que querem seguir na vida de musicuzinho.

Infância e JuventudeEditar

 
C. J. Ramone, mas bem que poderia ser teu tio, irmão mais velho ou professor de química.

Contrário a todos os registros, inclusive essa infobox aí do lado que você deve ler com uma pulga atrás da orelha, C.J. Ramone nasceu em Curitiba, Brasil, com o nome de Carlos José Tavares. Carlos desde menino já era um punk (aquela música "Judy Is a Punk" poderia ter sido sobre ele) e tinha o sonho de entrar pros Ramones quando crescesse. Para esse fim, tratou de entrar no estilo de vida usando roupas jeans rasgadas e cheirando muita cola.

Certo dia, C.J. foi confundido com um mendigo e perseguido pela PM paranaense. Desesperado para escapar do Nascimento Bag on Head True Strike, correu para Balneário Camboriú (onde passou umas férias escondido) e de lá seguiu pro porto de Paranaguá, onde acabou entrando no navio errado, ou o certo; pois em vez de algum outro lugar do Brasil, ele foi parar nos EUA, em Nova Nova Nova Nova Iorque.

Carreira no RamonesEditar

Chegando em NNNNY, Carlos José logo tratou de mudar de nome para Christopher Joseph Ward; ele também já tinha cara de gringo mesmo, o que o ajudou a camuflar melhor por ali. C.J. então passou a frequentar shows do Ramones. Acontece que o resto da banda, sempre certinhos, já tavam de saco cheio das pirações etílicas e cocainômanas do baixista Dee Dee Ramone, que por sua vez também já tava querendo sair mesmo pra embarcar na carreira de hip hop (não é piada, aliás, antes fosse), e com isso estavam caçando um substituto. Foi feito então um teste com vários candidatos e o que bradasse 1, 2, 3, 4 mais rápido, função vital de um baixista do Ramones, seria o vencedor. C.J. conseguiu e ficou com a vaga.

 
C. J. pagando de fodão. Pffff...

A chegada dele foi vista como uma lufada de ar fresco no grupo, pois ao contrário de Dee Dee, C. J. tinha uma voz aguentável, o que o permitia soltar a voz em músicas que o boneco de posto Joey Ramone não estava afim ou estava velho demais pra cantar mesmo. E nessa configuração os Ramones gravaram os álbuns Loco Live, Mondo Bizarro, Acid Eaters (esse é de covers, não conta!!) e ¡Adios Amigos!, discos notavelmente mais suaves que os anteriores, não por causa de C.J. que era moleque revoltado, mas sim pois ele chegou numa banda que já tava toda esclerosada mesmo.

SoloEditar

Em 1996 entretanto não teve jeito, a idade chegou pra todo mundo, e cada um da banda foi pra um lado. Menos C. J. Ramone é claro, pois ele é brasileiro e não desiste nunca, além do que ele ainda tinha não muita lenha pra queimar e assim ele segue em carreira solo, uma bem mais ou menos, mas que dá pra encher a barriga. Coisa que ele passou a fazer com muito fast food após o fim do Ramones.

Alguns rumores se dão conta de que C. J. Ramone foi convidado a se juntar ao Metallica após o rage quit de Jason Newsted, mas óbvio que isso não ocorreu, pois o mundo não estava preparado para essa parceria. Uma pena, pois depois disso o Metallica só lançou discos cagados...

Um cara bacana e muito admirado pelas bandas novas, C. J. sempre faz pontas em eventos de punk por aí, pois como único baixista do Ramones ainda vivo, coube a ele repassar os segredos dos antepassados pras novas gerações. Nas horas vagas também tira um tempo pra bater uma bolinha, mais precisamente na Argentina onde mudou de nome, pela 83ª vez, para Lionel Messi e começou uma frutífera carreira de futebolista - às vezes nos festivais rolam umas peladas de casados X solteiros com membros de outras bandas.