Abrir menu principal

Desciclopédia β

Desnotícias:Nokia estuda lançar celular touchscreen baseado no Nokia 1100

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

Depois do relativo sucesso do remake dos aparelhos Nokia 3310 e 8110, a empresa promete reviver seu maior sucesso de vendas.

SPAM PÁ UOL, Bananólia

A Nokia, depois de voltar das cinzas e de ter relativo sucesso em uma versão incrementada do tijolo conhecido pelo codinome de Nokia 3310, estuda reviver o seu maior sucesso de vendas de toda a história, o Nokia 1100, cuja plataforma foi base para uma enorme gama de aparelhos, que apresentaram grande venda no correr dos anos 2000.

Segundo informações ainda não confirmadas, o aparelho no facelift não teria o teclado emborrachado que tinha na versão original do 1100, no entanto teria em seu lugar uma tela touchscreen no formato 21:9 Ultrawide com as dimensões de 42 x 98 mm, perfazendo em uma tela de 4.2", que apesar do design extremamente minimalista, promete a seus usuários uma experiência similar a de cinema em aparelhos bem minimalistas, em contraponto aos enormes aparelhos que são vendidos hoje em dia.

As dimensões do aparelho ficariam similares a do original e seriam incrementadas com uma bateria exclusiva para o modelo que teria capacidade de 3000 mAh, tendo apenas uma entrada para nanosim, mas tendo suporte também ao e-sim.

O aparelho, que é chamado pela companhia de Nokia 1100 Touch, teria tela de LED com resolução de 1680 x 720 pixels e viria com o Android 11, usaria uma conexão USB-C para carregamento e também permitiria também conexão em redes 3G, 4G e 5G, o que implica em um grande avanço ao velho 1100, que tinha suporte apenas em dual-band GSM e apresentava tela monocromática.

Também há a promessa de um conjunto de câmeras para o aparelho, com o objetivo de as pessoas utilizarem o mesmo em selfies e para tirar fotos convencionais com grande qualidade sem ter de carregar o trambolho que representaria um smartphone típico.

O lançamento de tal aparelho seria em janeiro de 2021, sendo que no entanto, por conta da pandemia de coronavírus, o mesmo ainda não tem data confirmada.

FontesEditar